Museu da Vida fomenta debate de propostas para universidade indígena

Uma intensa programação no Museu de Vida da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) permite ao público partilhar da visão e do conhecimento dos indígenas da Aldeia Maracanã, aldeia urbana que reúne povos de várias etnias localizada no bairro do Maracanã, na zona norte do Rio de Janeiro.

Por Alerta Rosário em 29/05/2023 às 23:35:16

Uma intensa programação no Museu de Vida da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) permite ao público partilhar da visão e do conhecimento dos indígenas da Aldeia Maracanã, aldeia urbana que reúne povos de várias etnias localizada no bairro do Maracanã, na zona norte do Rio de Janeiro. A lista de atividades é extensa, com oficina de grafismo corporal, de tupi-guarani, contação de histórias, feira de artesanato e medicina da floresta e apresentação de cânticos.

As atividades integram as comemorações dos 123 anos da Fiocruz e dos 24 anos do Museu da Vida. Toda a programação foi organizada em parceria com a Aldeia Maracanã.

"Pensar e planejar o evento com o museu tem sido uma troca de emoções, memórias e afetos. A todo instante, sentimos muito respeito à cultura e à espiritualidade dos povos originários", diz Mônica Lima Tripuira Kuarahy Manaú Arawak, professora da Universidade Pluriétnica Indígena Aldeia Maracanã, doutora em biologia e servidora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e da Secretaria de Estado de Educação.

Na quinta-feira (25), um encontro com professores apresentou as propostas educativas da instituição e compartilhou o trabalho colaborativo desenvolvido com as escolas.

Uma das atrações do encontro, com o tema Universidade Pluriétnica Indígena Aldeia Maracanã na Perspectiva do Bem-Viver: Medicina da Floresta, foi a participação de Mônica e Amanda Goytacá, educadora popular e terapeuta natural da Aldeia Maracanã. O evento abordou questões ligadas à existência de povos indígenas em situação urbana e à construção coletiva de uma universidade indígena.

Estruturada dentro da Aldeia Maracanã, a universidade foi pensada pelos indígenas como um espaço para desenvolvimento das atividades de preservação, estudo, pesquisa, ensino e difusão das culturas originárias do Brasil e de outras partes da América. "Existe para cultivar e promover o compartilhamento de conhecimentos tradicionais, além de desenvolver a consciência sobre a nossa cultura e valorizá-la, ajudando a criar um sentimento de pertencimento", explicou Mônica, em entrevista à Agência Brasil.

Segundo a professora, o sucesso individual é supervalorizado na sociedade atual, reduzindo a força do coletivo no dia a dia. Ela disse que, com isso, o desequilíbrio entre "o eu e o nós", tem como sintomas as dificuldades de comunicação, competição a todo momento, desigualdade social, depressão, violência, emergência climática, entre outros.

A professora ressaltou ainda que, nas comunidades indígenas, onde grande parte das atividades é compartilhada, aprendem-se valores para uma melhor convivência comunitária. "Valorizamos a identidade cultural. Ter consciência sobre a própria cultura e valorizá-la ajuda a criar um sentimento de pertencimento. Sabemos viver em comunidade porque sabemos que somos indígenas". Para a educadora, os não indígenas, ao negligenciar sua origem, perdem-se e trilham um caminho competitivo, no qual tentam ser melhores do que os outros.

De acordo com Mônica, o evento possibilita a abordagem de aspectos da medicina da floresta e da cosmovisão indígena. "Penso que as pessoas do museu estão se aprofundando neste resgate ancestral a cada contato conosco", ressaltou. A professora ressaltou que os visitantes podem, inclusive, vivenciar a espiritualidade dos povos da floresta, pois é na floresta que reside toda ciência e vida.

"Saúde tem a ver com o nosso bem viver,. Então, combinar os dois saberes, a ciência acadêmica e a ciência ancestral dos povos originários é uma combinação que vai nos levar a cura – essa conexão nos faz retornar a uma saúde que é a essência, uma saúde preventiva", afirmou.

Mônica destacou a expectativa de que o encontro traga desdobramentos futuros, divulgando aos visitantes as mais urgentes pautas indígenas e ajudando na formação de parcerias dentro e fora da Fiocruz em questões como o combate às violações e violências contra os povos originários. A professora ressaltou ainda questões como a demarcação da Aldeia Maracanã e da Universidade Pluriétnica Indígena e a necessidade de mais atenção à Casa do Índio, localizada na Ilha do Governador, na zona norte do Rio de Janeiro.

Museu da Vida

Criado em 1999, o Museu da Vida fica no campus da Fiocruz em Manguinhos, zona norte do Rio. Trata-se de um centro dedicado à preservação da memória da Fiocruz e às atividades de divulgação científica, pesquisa, ensino e documentação da história da saúde pública e das ciências biomédicas no Brasil.

O evento que celebra o aniversário do museu termina neste sábado (27). Toda a programação, das 9h às 16h, tem entrada gratuita, mas é necessária inscrição prévia para as atividades, com exceção de amanhã, quando o museu está aberto ao público em esquema de visitação livre.

*Estagiário sob supervisão de Léo Rodrigues/Colaborou Solimar Luz, repórter da Rádio Nacional do Rio de Janeiro

Fonte: Agência Brasil

Comunicar erro

Comentários